41 3085-8810 contato@sinergiaengenharia.com.br

Orientações para a decisão do uso – Papel Branco ou Papel Reciclado?!

Quando se trata de produtos reciclados, logo vem a mente que estamos contribuindo para a redução de impactos ambientais desprendidos para a geração de um novo produto. Será mesmo? Uma das questões a se ponderar é a opção de utilizar papel reciclado no lugar do papel branco por transmitir uma ideia de consumo responsável. Você conhece as diferenças na fabricação destes dois tipos de papéis? O que de fato você ou a sua empresa levam em conta na decisão da compra? Para uma decisão de compra consciente devemos nos atentar para a questão de como o produto é fabricado. Entenda as diferenças nos processos:

Processo de fabricação do papel branco – A celulose é a matéria prima básica para as indústrias de papel. No papel branco, a massa é composta por celulose 100% virgem. Primeiramente a árvore é derrubada, a madeira é descascada e picada (cavacos), depois o material é cozido, desta etapa resulta uma pasta marrom que pode ser usada para fabricar papéis não branqueados. Para o papel branco a etapa seguinte é o branqueamento da celulose.  Este processo utiliza peróxidos, dióxidos de sódio e cloro, ozônio, ácidos, entre outros. Por fim a poupa é secada e prensada até a gramatura desejada. Resíduos do processo produtivo: O líquido resultante do cozimento é chamado licor negro, e é armazenado em lagoas de decantação, onde recebe tratamento antes de retornar aos rios. Pode-se citar também as aparas de papel. Sabe-se que o papel branco tem melhor desempenho e qualidade final de impressão ou reprodução.

Processo de fabricação do papel reciclado – Vamos considerar uma composição da massa do papel em 50% de fibra virgem e 50% de fibra reciclada. Destes 50% de fibra reciclada, 25% seriam compostas de fibras oriundas de aparas pré-consumo (são os restos de papel gerados na indústria, mas que não chegaram a serem consumidos) e 25% oriundas de aparas pós-consumo. As aparas pós-consumo passam por diversas etapas de processamento, tratamento e purificação para que sejam retiradas as impurezas do papel, como tintas de impressão e afins. Logo, um processo produtivo com mais etapas utiliza mais recursos naturais, como água e energia, gera mais efluentes e utiliza uma maior quantidade de produtos químicos. No papel reciclado existe a perda de qualidade no produto final com restrições de uso.

Antigamente eram utilizadas, madeiras provenientes de florestas nativas para a produção de papel, muitas destas abrigavam populações tradicionais. Hoje em dia o papel branco é gerado a partir da obtenção da celulose de florestas certificadas. Para tal existe a certificação Forest Stewardship Council ® – FSC que confirma que o produto vem de florestas plantadas e é concedida às empresas após um processo de auditorias realizado por um órgão certificador independente. As vantagens de se utilizar um papel certificado são: conservação de florestas nativas e de recursos naturais,preservação da biodiversidade, confirmação de que a matéria prima foi extraída baseada em um efetivo manejo florestal, assegura os direitos dos trabalhadores, associa a marca a um selo reconhecido internacionalmente, é uma garantia de origem, orienta o comprador atacadista ou varejista a escolher um produto diferenciado e com valor agregado, entre outras.

Conclui-se que, o papel reciclado é resultante da fabricação do papel branco, pois utiliza resíduos de seu processo produtivo, as aparas, como uma das suas matérias primas. Mas, essas aparas já são normalmente usadas na fabricação de papel higiênico e embalagens, por exemplo, não iriam de qualquer forma parar em um aterro sanitário. Outro tópico a ser ponderado é quando fala-se que a produção de papel reciclado ajuda a salvar árvores. As árvores utilizadas para a produção do papel branco são plantadas e certificadas para este fim, sequestrando carbono da atmosfera no seu crescimento até o ponto certo para o seu corte.

Ainda considerando a produção dos papéis brancos outro quesito que deve ser considerado é o fato de no setor de papel e celulose, grande parte da energia utilizada no processo produtivo é produzida pela própria empresa por meio da utilização dos resíduos das árvores, chamados de biomassa.

Sabe-se que uma das composições para a fabricação do papel reciclado é a utilização dos papéis separados por catadores informais ou cooperativas de separação e triagem, neste ponto entrariam uma série de quesitos como a inclusão social das classes menos favorecidas, por exemplo.

Enfim, existe uma infinidade de fatores que devem ser pesados e ponderados na hora de optar pela compra, e assim deve ser com tudo que você for adquirir seja um produto ou um serviço. De qualquer forma, para qualquer que tenha sido sua escolha lembre-se que existe a regrinha dos três Rs: reduzir, repensar e reutilizar. De forma geral essas palavras remetem a uma mudança de hábitos e padrões de consumo que deve estar presentes no dia a dia das pessoas. Cada um fazendo a sua parte o meio ambiente será conservado para as gerações futuras.

Juliana de Moraes Ferreira é Engenheira Ambiental e Especialista em Gestão de Energia.

 

 

Juliana de Moraes Ferreira
Juliana de Moraes Ferreira
Engenheira Ambiental e Especialista em Gestão de Energia

4
Deixe um comentário

avatar
  Increver-se  
Notificar-me
Bruno Sanches
Bruno Sanches

Muito bom artigo! Antes de imprimir devemos pensar se realmente é preciso imprimir e se for, utiliza-se dos papeis já impressos ou rascunhos!

Eduardo Prestes
Eduardo Prestes

Adorei sua matéria, ficou super leve e bem esclarecedora, entretanto você não colocou sua opinião… de qual é o melhor produto, deixou no ar, inteligentemente para os leitores buscarem e pensarem mais sobre o assunto.
Gostei bastante, mesmo, parabéns… É muito bom saber que o pessoal da turma está super envolvido com as questões ambientais, que são suma importância! Um grande abraço. Eduardo

Notícias relacionadas

Ver mais notícias

Assine nossa newsletter

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Sinergia Engenharia!