41 3085-8810 contato@sinergiaengenharia.com.br

Poluição Atmosférica uma Questão de Saúde Pública

A poluição atmosférica é um dos grandes problemas ambientais atualmente, pois ao ultrapassarem as concentrações padrões poderão afetar a saúde, a segurança e o bem-estar da população, assim como ocasionar danos à fauna e à flora. As fontes de emissões atmosféricas são, em sua maioria antropogênicas, principalmente devido a queima de combustíveis fósseis dos veículos automotores.

O PM (particulate matter) ou MP (material particulado) pode ser classificado em duas categorias devido ao tamanho da partícula:

  • PM2,5: até 2,5 μm de diâmetro;
  • PM10: entre 2,5 μm à 10 μm de diâmetro.

O material particulado é composto por partículas de diversos materiais, como, poeira, pólen, substâncias químicas orgânicas, metais e ácidos, como sulfatos e nitratos. Sendo a maioria cerca de cinco vezes mais finos que um fio de cabelo.

Segundo a OMS ambos os tamanhos de partículas são prejudiciais à saúde, porém o PM2,5 pode ser responsável por doenças respiratórias como, asma, bronquite, irritação das vias aéreas, tosse e dificuldade de respirar, e ainda algumas doenças ligadas a problemas do coração como a morte prematura de cardíacos e arritmias. Devido ao seu tamanho microscópico ser igual ou menor que os alvéolos pulmonares, pode causar o tamponamento desses alvéolos (pequenas cavidades do pulmão, onde ocorrem as trocas gasosas entre o ar e o sangue) ou penetrar na corrente sanguínea.

A Resolução CONAMA nº3/1990 dispõe sobre os padrões para a qualidade do ar. Porém não classifica o material particulado por seu tamanho, somente pela quantidade medida por m³ de ar em 24 horas ou em um ano. Classificando como primário e secundário:

  • Primário: concentração média em 24 horas de 240 µg/m³ e média geométrica anual de 80 µg/m³;
  • Secundário: concentração média em 24 horas de 150 µg/m³ e média geométrica anual de 60 µg/m³.

Na maioria dos países já existem padrões de qualidade para o PM2,5, que são medidos durante 24 horas, pois o dano potencial causado pelos poluentes atmosféricos não depende apenas da concentração, mas também da duração da exposição.

A tabela abaixo mostra os níveis de concentração de PM2,5 que são prejudiciais e as precauções a serem tomadas, segundo a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (US EPA).

PM 2,5Índice de Qualidade do ArPM 2.5 Efeitos para a saúdeAções de precaução
0 a 12,0Bom
0 a 50
Pouco ou nenhum risco.Nenhum.
12,1 a 35,4Moderado
51 a 100
Indivíduos excepcionalmente sensíveis podem apresentar sintomas respiratórios.Pessoas excepcionalmente sensíveis devem considerar reduzir o esforço prolongado ou pesado.
35,5 a 55,4Insalubre para grupos sensíveis
101 a 150
Aumento da probabilidade de sintomas respiratórios em indivíduos sensíveis, agravamento da doença cardíaca ou pulmonar e mortalidade prematura em pessoas com doença cardiopulmonar e em idosos.Pessoas com doenças respiratórias ou cardíacas, idosos e crianças devem limitar o esforço prolongado.
55,5 a 150,4Insalubre

151 a 200

Aumento do agravamento da doença cardíaca ou pulmonar e mortalidade prematura em pessoas com doença cardiopulmonar e em idosos. Aumento dos efeitos respiratórios na população em geral.Pessoas com doenças respiratórias ou cardíacas, idosos e crianças devem evitar o esforço prolongado, e a população em geral deve limitar o esforço prolongado.
150,5 a 250,4Muito insalubre
201 a 300
Agravamento significativo da doença cardíaca ou pulmonar e mortalidade prematura em pessoas com doença cardiopulmonar e em idosos. Aumento significativo dos efeitos negativos na população em geral.Pessoas com doenças respiratórias ou cardíacas, idosos e crianças devem evitar qualquer atividade ao ar livre, e a população em geral deve evitar o esforço prolongado.
250,5 a 500,4Perigoso
301 a 500
Agravamento de doença cardíaca ou pulmonar e mortalidade prematura em pessoas com doença cardiopulmonar e em idosos. Risco grave na população em geral.Todos devem evitar qualquer esforço ao ar livre. Pessoas com doenças respiratórias ou cardíacas, idosos e crianças devem permanecer dentro de casa.

Segundo pesquisadores da Berkeley Earth, a cada hora de exposição em concentrações críticas a expectativa de vida reduz em 20 minutos. Isso significa que um indivíduo que pega 2 horas de trânsito intenso todos os dias, cinco vezes por semana, perde 7 dias de sua vida em um ano. Esses números de dias podem ser ainda maiores quando se trata de pessoas mais sensíveis, como idosos e crianças.

Para evitar o aumento da concentração do material particulado presente no ar, você pode tomar algumas atitudes:

  • Ir de bicicleta ou caminhando;
  • Ir de transporte coletivo;
  • Optar por carros elétricos ou combustíveis menos poluentes para o abastecimento, como o etanol, e sempre estar em dia com a manutenção do carro;
  • Não soltar balões;
  • Não fazer fogueiras.

A prevenção é sempre o melhor remédio. Seja consciente, suas atitudes podem afetar o bem-estar de todos!

Deixe um comentário

avatar
  Increver-se  
Notificar-me

Notícias relacionadas

Ver mais notícias

Assine nossa newsletter

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Sinergia Engenharia!